A incrível geração de mulheres que foi criada para ser tudo o que um homem NÃO quer

Acabei de me deparar com esse texto e tive que compartilhar com vocês!

Às vezes me flagro imaginando um homem hipotético que descreva assim a mulher dos seus sonhos:

“Ela tem que trabalhar e estudar muito, ter uma caixa de e-mails sempre lotada. Os pés devem ter calos e bolhas porque ela anda muito com sapatos de salto, pra lá e pra cá.

Ela deve ser independente e fazer o que ela bem entende com o próprio salário: comprar uma bolsa cara, doar para um projeto social, fazer uma viagem sozinha pelo leste europeu. Precisa dirigir bem e entender de imposto de renda.

Cozinhar? Não precisa! Tem um certo charme em errar até no arroz. Não precisa ser sarada, porque não dá tempo de fazer tudo o que ela faz e malhar.

Mas acima de tudo: ela tem que ser segura de si e não querer depender de mim, nem de ninguém.”

Pois é. Ainda não ouvi esse discurso de nenhum homem. Nem mesmo parte dele. Vai ver que é por isso que estou solteira aqui, na luta.

O fato é que eu venho pensando nisso. Na incrível dissonância entre a criação que nós, meninas e jovens mulheres, recebemos e a expectativa da maioria dos meninos, jovens homens,  homens e velhos homens.

O que nossos pais esperam de nós? O que nós esperamos de nós? E o que eles esperam de nós?

Somos a geração que foi criada para ganhar o mundo. Incentivadas a estudar, trabalhar, viajar e, acima de tudo, construir a nossa independência. Os poucos bolos que fiz na vida nunca fizeram os olhos da minha mãe brilhar como as provas com notas 10. Os dias em que me arrumei de forma impecável para sair nunca estamparam no rosto do meu pai um sorriso orgulhoso como o que ele deu quando entrei no mestrado. Quando resolvi fazer um breve curso de noções de gastronomia meus pais acharam bacana. Mas quando resolvi fazer um breve curso de língua e civilização francesa na Sorbonne eles inflaram o peito como pombos.

Não tivemos aula de corte e costura. Não aprendemos a rechear um lagarto. Não nos chamaram pra trocar fralda de um priminho. Não nos explicaram a diferença entre alvejante e água sanitária. Exatamente como aconteceu com os meninos da nossa geração.

Mas nos ensinaram esportes. Nos fizeram aprender inglês. Aprender a dirigir. Aprender a construir um bom currículo. A trabalhar sem medo e a investir nosso dinheiro.  Exatamente como aconteceu com os meninos da nossa geração.

Mas, escuta, alguém  lembrou de avisar os tais meninos que nós seríamos assim? Que nós disputaríamos as vagas de emprego com eles? Que nós iríamos querer jantar fora, ao invés de preparar o jantar? Que nós iríamos gostar de cerveja, whisky, futebol e UFC? Que a gente não ia ter saco pra ficar dando muita satisfação? Que nós seríamos criadas para encontrar a felicidade na liberdade e o pavor na submissão?

Aí, a gente, com nossa camisa social que amassou no fim do dia, nossa bolsa pesada, celular apitando os 26 novos e-mails, amigas nos esperando para jantar, carro sem lavar, 4 reuniões marcadas para amanhã, se pergunta “que raio de cara vai me querer?”.

“Talvez se eu fosse mais delicada… Não falasse palavrão. Não tivesse subordinados. Não dirigisse sozinha à noite sem medo. Talvez se eu aparentasse fragilidade. Talvez se dissesse que não me importo em lavar cuecas. Talvez…”

Mas não. Essas não somos nós. Nós queremos um companheiro, lado a lado, de igual pra igual. Muitas de nós sonham com filhos. Mas não só com eles. Nós queremos fazer um risoto. Mas vamos querer morrer se ganharmos um liquidificador de aniversário. Nós queremos contar como foi nosso dia. Mas não vamos admitir que alguém questione nossa rotina.

O fato é: quem foi educado para nos querer? Quem é seguro o bastante para amar uma mulher que voa? Quem está disposto a nos fazer querer pousar ao seu lado no fim do dia? Quem entende que deitar no seu peito é nossa forma de pedir colo? E que às vezes nós vamos precisar do seu colo e às vezes só vamos querer companhia pra um vinho? Que somos a geração da parceria e não da dependência?

E não estou aqui, num discurso inflamado, culpando os homens. Não. A culpa não é exatamente deles. É da sociedade como um todo. Da criação equivocada. Da imagem que ainda é vendida da mulher. Dos pais que criam filhas para o mundo, mas querem noras que vivam em função da família.

No fim das contas a gente não é nada do que o inconsciente coletivo espera de uma mulher. E o melhor: nem queremos ser. Que fique claro, nós não vamos andar para trás. Então vai ser essa mentalidade que vai ter que andar para frente. Nós já nos abrimos pra ganhar o mundo. Agora é o mundo tem que se virar pra ganhar a gente de volta.

Ruth Manus

Fonte: Estadão,

Anúncios

12 passos para hidratar os cabelos em casa corretamente

Engana-se quem acha que só é possível ter cabelos sempre hidratados indo ao salão. Hoje em dia isso não cola mais, já existem muitas máscaras boas, que agem em pouco tempo e se aplicadas da forma correta, hidratam o cabelo consideravelmente e ajudam a mantê-lo saudável, sem que você precise ir ao cabeleireiro toda semana.

Claro que algumas dicas aí já são velhas (bem velhas) conhecidas, outras nem tanto, então vale a pena conferir!

1. Cabelos limpos fazem toda a diferença

Se o cabelo não for lavado da forma certa, o excesso de oleosidade e impurezas impedirá que a máscara capilar aja no fio e dê o efeito desejado. Por isso, é importante lavar o cabelo muito bem antes da hidratação, de preferência com água morna ou em temperatura ambiente.

2. O tal do shampoo antirresíduos

O shampoo antirresíduos é ótimo para limpar profundamente os fios e retirar todas as impurezas, excesso de poluição, oleosidade, sujeira e acúmulo de outros produtos também (o famoso “meu cabelo acostumou com tal condicionador”), portando são ótimos para serem usados antes da hidratação.

Quem tem cabelo normal, misto ou oleoso pode usar o shampoo antirresíduos uma vez por semana, a cada quinze dias ou até mais tempo, depende da sua necessidade. Quem tem cabelo seco é bom não abusar, uma vez no mês está de bom tamanho.

Durante a lavagem com shampoo antirresíduos, não “embole” os fios ou faça movimentos muito bruscos, pois você pode danificá-los e embaraçá-los. Faça movimentos retilíneos ou circulares no couro cabeludo, bem devagar, sem emaranhar os fios.

Quem tem cabelo tingido, danificado, com algum tipo de alisamento ou química não é bacana usá-lo, porque o shampoo antirresíduos pode desbotar o fio, ressecar ou ainda diminuir os efeitos da progressiva/alisante etc. Não é uma regra não, mas pode acontecer! Se esse for o seu caso, antes da hidratação apenas use o seu shampoo de costume e aplique-o duas vezes caso seu cabelo esteja um pouco sujo.

3. Condicionador antes/depois da hidratação pode?

Não. Por dois motivos: primeiro porque as cutículas do fio precisam estar abertas para o produto agir corretamente, e a função do condicionador é justamente fechá-las, então ele vai atrapalhar a ação da máscara. O segundo motivo é meio óbvio: o excesso de produtos hidratantes poderão deixar o cabelo pesado, sem balanço.

Depois da aplicação não é necessário, também para não pesar os fios. Se você quiser, na hora de secar, pode aplicar algumas gotinhas de leave-in.

4. Evite aplicar a máscara nos cabelos molhados

Hidratar os cabelos no banho é extremamente prático (as famosas máscaras que agem em 3 minutos!), mas tem seus pontos negativos. Ao aplicar a máscara nos cabelos molhados o produto é diluído e perde a eficiência, o que não é nem um pouco bom.

Para evitar isso, antes da aplicação seque os cabelos na toalha (sem esfregar), apertando suavemente os fios para tirar o excesso de água, depois desembarace-os com um pente largo e só então aplique a máscara.

5. Higiene é essencial

Evite colocar as mãos no pote para retirar/aplicar o produto, de preferência use um pincel de tintura bem limpo. Se você não tem, use uma colherzinha para retirar o produto do pote e o aplique com as mãos bem limpas.

Isso tudo evita que o produto seja contaminado por bactérias ou altere seu pH.

6. Aplicando a máscara da forma correta

O ideal é aplicar a máscara mecha por mecha, partindo da parte de baixo do cabelo (próximo à nuca) até a parte frontal (proximo à testa). Para cabelos normais a secos, o produto deve ser aplicado a partir de dois até quatro dedos de distância da raiz. Para cabelos mistos e oleosos, do meio do cabelo às pontas. O importante é nunca aplicar a máscara na raiz, em nenhum dos casos!

Obs: se você tem cabelo muito oleoso e acha que seu cabelo pode “ensebar”, aplique somente nas pontas.

7. Quantidade não é qualidade

Evite emplastar o cabelo de creme, não é a quantidade que faz a diferença e sim a forma de aplicação. Preocupe-se em garantir que todos os fios recebam produto igualmente.

8. Truques de salão

O ponto chave da hidratação é massagear cada mecha com cuidado. Uma dica bacana é aplicar o produto de cima para baixo, distribuindo-o por toda a mecha. Depois, massageie de baixo para cima para que o produto penetre melhor na cutícula do cabelo. Para finalizar, de cima para baixo novamente, para fechar a cutícula e dar brilho aos fios.

9. Não passe do tempo

Siga à risca o tempo recomendado para deixar a máscara agir. Passar do tempo não otimiza o efeito, muito pelo contrário, pode até ressecar os cabelos.

10. O calor ajuda, mas pode atrapalhar

Depois da aplicação da máscara, prenda o cabelo e coloque uma touca laminada (se você não tiver nenhuma, touca de banho serve ou ainda uma toalha morna). O calor ajuda a abrir as cutículas do cabelo e garante que o produto atue melhor.

Evite toucas térmicas (aquelas de 1900 e dinossauro, que você liga na tomada) porque na maioria das vezes elas fornecem calor além da conta e podem danificar a estrutura do fio, bem como queimar o couro cabeludo.

11. Não deixe resíduos de produto

Depois da hidratação, enxague bem os cabelos apenas com água até que o produto saia completamente. Muita gente acha que deixar resíduos de máscara ou condicionador faz bem para os fios e isso é um péssimo engano: não retirar esses resíduos pode deixar os cabelos opacos, pesados e até causar a queda.

12. A temperatura da água faz toda a diferença

Antes da hidratação, a água morna é bacana para ajudar a abrir a cutículas do cabelo. Depois, na hora de enxaguar a máscara, a temperatura da água precisa ser ligeiramente fria (não muito) para selar a cutícula do cabelo, evitar fios arrepiados e deixá-los brilhosos.

Fonte: Lookaholic,